Geral

Essas tatuagens bio-sensoriais mudam de cor quando sua saúde está em risco


Cientistas da Harvard Medical School e do Massachusetts Institute of Technology (MIT) desenvolveram uma tinta de biossensor que pode monitorar os níveis sanguíneos em tempo real por meio de tatuagens que mudam de cor. A incrível descoberta não deve ser levada a testes clínicos, mas abre o pensamento sobre novas formas de monitoramento da saúde em tempo real.

[Fonte da imagem: Viirj Kan, Katia Vega / MIT]

Tinta de tatuagem responde a mudanças no fluido celular

A tinta reage às mudanças no líquido em que nossas células estão suspensas. Esse líquido chamado fluido intersticial contém informações sobre os níveis de glicose, sódio e ph no sangue. Os níveis em nosso corpo estão em fluxo constante. Compreender suas flutuações pode nos dar uma visão sobre a saúde do nosso corpo.

A ideia do projeto, chamado DermalAbyss, é tatuar os indivíduos de acordo com um padrão de sua escolha. A tinta usada na tatuagem mudaria de cor de acordo com as mudanças no fluido intersticial.

[Fonte da imagem: Viirj Kan, Katia Vega / MIT]

Os pesquisadores selecionaram quatro biossensores que reagem às mudanças no fluido celular. A tinta do sensor de pH muda entre roxo e rosa, o sensor de glicose se move entre o azul e o marrom e o sódio e um segundo sensor de pH brilha com uma intensidade mais alta sob luz ultravioleta.

Boas notícias para diabéticos

A tinta de tatuagem projetada para responder aos níveis de glicose pode ajudar um paciente com diabetes a medir as alterações de açúcar no sangue. A tinta que mede os níveis de pH pode ser importante para um paciente com risco de derrame ou doença cardíaca. As tatuagens também podem ser usadas por pessoas que trabalham em condições intensas, como forma de monitorar seu estado geral de saúde.

A invenção é uma incrível mistura de ciência, arte e tecnologia de bio-sensor. Enquanto isso, os pesquisadores não têm planos de avançar nos testes clínicos. O projeto terá efeitos profundos na indústria. Não há dúvida de que essa pesquisa será usada novamente no futuro para aplicações expandidas.

As tecnologias vestíveis são uma indústria e um campo de pesquisa em crescimento. O diabetes, em particular, adotou novos métodos de monitoramento do sangue. A ideia da tatuagem não seria invasiva após a tatuagem inicial e seria muito mais difícil de danificar do que os atuais dispositivos de monitoramento vestíveis.

Mais que 10 por cento da população dos Estados Unidos tem diabetes. A maioria dos pacientes com diabetes requer algum tipo de monitoramento de sangue diário.

Os cientistas abriram a possibilidade de outro aplicativo para as tatuagens, declarando em seu site: “Poderia ser usado para aplicações em monitoramento [contínuo], como diagnósticos médicos, autodeterminação e codificação de dados no corpo”.

Tatuagens que ouvem

Usar tatuagens em biossensores não é uma ideia nova. Tatuagens que podem "ler" áudio e tatuagens que podem controlar smartphones já estão sendo desenvolvidas.

O Projeto DermalAbyss é descrito como "uma prova de conceito que apresenta uma nova abordagem para biointerfaces nas quais a superfície do corpo é renderizada como uma tela interativa". Portanto, embora o DermalAbyss não deva estar disponível para os consumidores tão cedo, ele nos dá uma pequena indicação do futuro do monitoramento de saúde!

Fontes: Futurismo, MIT

Fonte da imagem em destaque:Interfaces fluidas / Vimeo

VEJA TAMBÉM: MIT e Microsoft criam tatuagens que podem controlar smartphones


Assista o vídeo: ESTILO VIKING! Trança do Ragnar lothbrok (Junho 2021).